Categorias
Espiritualidade

Os talismãs do axé

Instrumentos de comunicação com o plano divino, os talismãs associados aos orixás atraem o axé, a força desses deuses do candomblé. 

(Lucy Guello)

Lá do orum, o plano espiritual na definição do candomblé, os orixás nos protegem e nos guardam. Homenagear esses deuses é uma atitude que traz força e saúde a nós que vivemos no aié, o mundo terreno dos mortais. Por isso, os devotos dos cultos de origem africana não deixam de reverenciá-los: praticam rituais de fé, fazem oferendas e cantam e dançam ao som do atabaque. Paralelamente, buscam outros canais de comunicação com o orum, como jogos e simpatias que conquistam a ajuda dos orixás para seus problemas. Além disso, trabalham metais, madeiras e pedras, preparando objetos que protegem todos os que o guardam ou os carregam consigo, independentemente da sua religião. Esses objetos – os talismãs dos orixás – afastam os males, previnem e curam doenças e nos permitem realizar todos os nossos desejos. 

Grigri, benguê, gambuê e patuá são alguns dos nomes dados a esses símbolos de devoção associados à magia e à fé do povo ioruba, que trouxe para o Brasil as divindades africanas há mais de duzentos anos.

Veja, a seguir, alguns dos principais deuses do candomblé e seus talismãs. 

EXU
Mensageiro, leva aos outros orixás os pedidos dos seres humanos. Alegre, brincalhão e muito acima das nossas noções de bem e de mal, é confundido com o Diabo da tradição cristã. Seus amuletos são o tridente, a serpente de ferro, e as pedras pretas, que nos conferem coragem e criatividade e nos ajudam a encontrar um novo amor. 

IANSÃ
É a rainha dos raios e das tempestades, a dona das almas e da guerra. Ousada, aceita todos os desafios. Sua sensualidade e determinação são verdadeiros imãs para atrair os homens e dominá-los. Seus amuletos são um pequeno raio de cobre, uma pulseira também de cobre, um par de brincos de coral e um colar também de coral, que afastam o medo e trazem amor e alegria. 

IEMANJÁ
Mãe de quase todos os orixás, é a deusa das águas. Por sua generosidade, recebe, sobretudo na passagem do ano, oferenda dos que desejam fartura e paz. Seus amuletos são uma concha, um leque de prata com espelhos ou uma pedra de praia, que nos permitem usufruir dos seus poderes. 

NANÃ
Deusa da chuva e da lama, ela nos traz paz, fecundidade e riqueza. Seus amuletos são a ametista, que acaba com a insônia e acalma a mente, e a vassourinha de palha-da-costa, que traz abundância. 

OGUM
Esse deus guerreiro e conquistador se manifesta nos terreiros dançando envolto numa capa vermelha ou azulão, brandindo uma espada no ar. Seus amuletos são uma pequena espada de prata ou adaga (que traz força e coragem), o rubi, a rubinita ou outra pedra vermelha banhada nas águas de uma cachoeira. 

OBALUAÊ
É o senhor das moléstias de pele, das epidemias e da cura. Seus amuletos são uma pedra preta e branca, um cristal fumê e uma pulseira de palha-da-costa com búzios que pode ser usada no pulso ou no tornozelo. Todos eles previnem e curam doenças. 

OXALÁ
É o maior dos orixás, o criador do homem, dono absoluto da vida, da morte e do renascimento, um pai sábio e sereno que nos dá os melhores conselhos nas horas mais difíceis. Seus amuletos são o cristal de rocha branco, que recebe e amplia energia e é bom contra ansiedade, e um pingente em forma de cajado de prata, que nos transmite a força desse deus. 

OXÓSSI
Senhor das matas e dos espíritos da floresta, é o mais belo dos orixás masculinos. Veste-se de verde ou azul-claro. Seus amuletos são um saquinho de tecido de uma dessas cores com uma semente de fava-de-oxóssi, um enfeite de prata em forma de arco e flecha e pedras como esmeralda e amazonita. 

OXUM 
A mais bela das orixás, deusa das cachoeiras, é vaidosa e dengosa. Gosta muito de se enfeitar e tem sempre nas mãos um leque feito de contas. Símbolo da maternidade e da gravidez, protege as gestantes e seus bebês. Seus amuletos são um leque de prata ou de ouro, um anel de topázio amarelo ou uma pedra encontrada numa cachoeira. Todos eles propiciam beleza e proteção. 

OXUMARÉ
É o deus do movimento e da transformação, representados pelo arco-íris. Passa metade do ano como princesa e metade como príncipe. É elegante e irônico e governa a fortuna. Seus amuletos são um anel em forma de serpente, que protege contra mau-olhado, e um patuá feito com um saquinho de tecido verde ou amarelo com uma pedrinha de quartzo rosa dentro, que traz riqueza. 

XANGÔ
Deus valente e soberano, desconhece a obediência, a submissão e o medo. Sua energia inesgotável faz dele o orixá dos raios e do trovão. De senso de justiça muito acentuado, não tolera a mentira nem a desonestidade. Seus amuletos são o machado de asas de dois gumes, que afasta as injustiças, e a citrina, que ajuda nos negócios.

Não deixe de seguir Claudiney Prieto e Brendan Orin no Instagram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *