Categorias
Espiritualidade

Especial: formas de meditação

Sentar-se em silêncio, fechar os olhos, respirar calmamente. Ou, se preferir, ficar algumas horas entoando mantras. Ou, ainda, pular batendo com os calcanhares no chão. Há mil maneiras de meditar. O importante é interromper o fluxo de pensamentos que inquietam a nossa mente para dar lugar à intuição e aos outros poderes que ultrapassam a simples capacidade de raciocínio.

A meditação tem suas raízes na tradição hindu, mais especificamente entre os iogues, que sempre a utilizaram como um instrumento de controle da mente para ampliar as faculdades paranormais. E quem descobriu que a meditação poderia levar à iluminação espiritual foi o príncipe hindu Sidarta Gautama, o Buda: ele revelou aos seus discípulos que meditar é o caminho mais seguro para se autoconhecer e vencer as ilusões do mundo material. Porém a meditação não está restrita aos mestres orientais: santos e místicos do Ocidente como Santa Tereza D’Ávila e São João da Cruz fizeram da meditação uma ponte de ligação com Deus. 

Formas de meditação

Conheça algumas das mais importantes escolas de meditação e seus métodos, para que também possa buscar a iluminação.

Bhákti-Ioga

A bhákti-ioga é a ioga da devoção. Seus seguidores acreditam que apenas o amor é capaz de levar o homem ao encontro da essência divina. Devido a isso, adotam como princípios a não-violência, a tolerância e o respeito.

A meditação é utilizada como um meio de libertar a mente das amarras impostas pelos sentidos de apego e de rejeição. Segundo Vraja Devi Dasi, coordenadora do Instituto Ratna de Cultura Indiana em São Paulo, “o ser humano vive dividido entre o apego às coisas das quais ele gosta e a ojeriza pelas coisas das quais ele não gosta. Isso gera ansiedade, estresse e cansaço mental”. A meditação, durante a qual os praticantes de bhákti-ioga entoam mantras, permite vencer essa dificuldade e alcançar o equilíbrio. 

Para meditar segundo os preceitos da bhákti-ioga, proceda da seguinte maneira:

1. Sente-se com a coluna ereta e os ombros relaxados.

2. Repita quantas vezes quiser o mantra Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna, Krishna, Hare, Hare. Hare Rama, Hare Rama, Rama, Rama, Hare, Hare.

Raja-ioga

A Raja-ioga é a ioga da meditação. Seus adeptos procuram criar novos padrões de pensamentos, ocupando a mente com ideias agradáveis, capazes de afastar imagens negativas. Dessa maneira, emoções negativas cedem lugar à lucidez e à consciência plena do momento que se está vivendo. 

Segundo a professora Luciana Marques de Souza Ferraz, da Universidade Espiritual Mundial Brahma Kumaris, “os três aspectos fundamentais da raja-ioga são a busca do conhecimento e do autoconhecimento, a absorção e o desenvolvimento de boas qualidades e o serviço pelo bem da humanidade”. Ela acrescenta que a obediência a esses princípios ajuda a entrar em harmonia consigo mesmo e em sintonia com o ritmo do cosmo, alcançando, assim, um estado de perfeição e de bem-aventurança.

Para meditar segundo os preceitos da raja-ioga, proceda da seguinte maneira:

1. Sente-se confortavelmente, feche os olhos e relaxe.

2. Deixe que um pensamento qualquer venha à tona. Não importa se é uma cena bonita ou feia. Simplesmente permita que seu pensamento aflore e observe, como se estivesse olhando para ele de um lugar muito distante. Procure se sentir distante de verdade.

3. Agora imagine que está observando a si próprio como se fitasse um desconhecido, como se fosse um viajante olhando a paisagem através da janela de um trem. Quem é essa pessoa que vê o mundo pela janela dos olhos? Visualize que é um peregrino, não na sua forma física, mas na sua forma essencial de luz.

4. Repita várias vezes: Os pensamentos sobre o que fiz, sobre o que tenho para fazer e sobre minhas responsabilidades estão fora da janela. Volto minha atenção exclusivamente para mim. Sou um ser de luz, que brilha no centro da testa desse viajante. Meu corpo é valioso, mas sou mais do que um corpo. Sou um ponto de energia consciente, e irradio paz e luz. Libero todo meu potencial, pois abandonei as correntes que me prendiam.

5. Retorne aos poucos para o corpo do passageiro do trem – seu próprio corpo – e procure se conscientizar das coisas à sua volta. Procure sentir a textura dos objetos, os aromas, a temperatura ambiente. Por fim, abra os olhos.

Budismo Tibetano

O budismo tibetano faz da meditação um instrumento para se libertar dos sofrimentos do mundo. E, segundo Francesco Prevosti, ex-monge budista no Tibete e atual coordenador do Centro de Dharma de São Paulo, “a meditação leva o praticante a um tal estado de consciência que ele pode até determinar os rumos de suas futuras encarnações”.

Para meditar segundo os preceitos do budismo tibetano, proceda da seguinte maneira:

1. Sente-se com a coluna ereta, as pernas cruzadas à frente do corpo e os olhos e os lábios entreabertos.

2. Concentre-se no ritmo da sua respiração, mantendo-a tranquila e ritmada.

3. Ao expirar, imagine que os bloqueios, as doenças e as coisas ruins saem de você como se fossem uma fumaça preta. Em seguida, ao inspirar, imagine que as energias puras penetram pelas suas narinas como uma névoa branca que purifica suas células e suas emoções.

4. Visualize uma imagem de Buda. Procure “ver” uma luz branca saindo dessa imagem e penetrando em você pelo alto de sua cabeça.

Zen-Budismo

Originário do Japão e muito difundido também na China, o zen-budismo propõe uma vida serena, baseada na aceitação dos fatos e na prática do bem. Para os adeptos dessa filosofia, a meditação é um instrumento que permite olhar para dentro de si mesmos. Segundo Tamara Katz, que há 17 anos pratica meditação zen-budista, “as consequências naturais desse tipo de trabalho são o equilíbrio emocional e o autoconhecimento”.

Para meditar seguindo os preceitos do zen-budismo, proceda da seguinte maneira:

1. Escolha um local com iluminação suave e onde não corra o risco de ser interrompido.

2. Sente-se com a coluna ereta e os olhos entreabertos.

3. Pouso o dorso da mão esquerda sobre a palma da mão direita e enconste a ponta da língua no céu da boca.

4. Respire lentamente pelas narinas, procurando levar o ar até o abdômen.

5. Permaneça em silêncio o maior tempo possível.

Meditação da Observação

O guru indiano Bhagwan Shree Rajneesh – ou Osho, como era chamado pelos seus discípulos – desenvolveu centenas de técnicas de meditação. “O fundamento básico da meditação é a observação”, explica Uiara Cunha Lima, do Osho Institute. “Quando você medita sobre seu corpo, por exemplo, percebe que ele não é você, pois aquilo que pode ser observado não pode ser o observador. Depois, você observa sua mente e suas emoções e percebe que sua essência está além das definições. A meditação faz a pessoa se conscientizar do que ela é de fato”, completa Uiara. 

Para meditar seguindo os preceitos de Osho, proceda da seguinte maneira:

1. Respire de maneira forte e rápida, até se sentir aquecido.

2. Grite com força e pule, batendo os calcanhares no chão. Encha bem os pulmões de ar e grite Ru!, expirando de uma só vez.

3. Fique alguns minutos em silêncio, observando suas reações.

Tantra Yôga

O tantra-yôga e a ioga da libertação. Seus adeptos levam uma vida saudável, baseada na alimentação vegetariana e na vivência plena da sexualidade. O mestre tântrico indiano Ananda Ram explica que “o tântrico vive em meditação. Ele medita ao comer, ao nadar, ao dormir. Mas também usa técnicas específicas, na busca da iluminação”. 

Para meditar segundo os preceitos do tantra-yôga, proceda da seguinte maneira:

1. Sente-se, com as pernas cruzadas à frente do corpo, num local tranquilo e silencioso.

2. Acenda um incenso de sândalo e, de olhos fechados, inspire e expire pelas narinas até sentir o corpo bem relaxado.

3. Visualize uma luz alaranjada envolvendo seus órgãos sexuais. Imagine que essa luz penetra pelo seu corpo e se eleva até o alto da cabeça. Nesse ponto, ela se abre numa flor de lótus transparente e cristalina.

4. Abra os olhos e permaneça no local, respirando profundamente até o incenso chegar ao fim.

Swásthya-Yôga

O swásthya-yôga é a ioga da saúde e do bem-estar, e seus adeptos cultuam a alegria e a liberdade. “Para o praticante de swásthya-yôga, a meditação é um meio de parar a mente e, assim, atingir o estado de super-consciência. Dessa maneira, a pessoa sai da normalidade e atinge a paranormalidade”, explica o professor De Rose, fundador da Universidade Livre de Yôga. Segundo ele, a meditação nos permite acessar nossa intuição e, assim, passamos a compreender melhor as coisas visíveis e ainda desenvolvemos a percepção das outras realidades. As pessoas que praticam meditação também mantêm o equilíbrio emocional e a saúde mental sempre perfeita. 

Para meditar segundo os preceitos da swásthya-yôga, proceda da seguinte maneira:

1. Sente-se de maneira confortável, com a coluna ereta, num ambiente pouco iluminado.

2. Acenda uma vela e olhe fixamente para a chama, evitando qualquer pensamento.

3. Quando sentir que a mente está vazia, terá atingido o objetivo da meditação.

Existem diversas formas de meditação, escolha uma que mais te agrada e afaste as energias negativas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *